Confiança do consumidor na Paraíba registra alta em março

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Região Metropolitana de João Pessoa subiu em março deste ano comparado ao mês anterior. O dado registrou alta de 2,73%, passando de 108,29 pontos em fevereiro para 111,25 pontos em março. Com este resultado, o ICC retoma a tendência de alta iniciada em agosto do ano passado, de acordo com o Instituto Fecomércio de Pesquisas Econômicas e Sociais da Paraíba.

Para o Presidente da Fecomércio Paraíba, Marconi Medeiros, “essa alta no nível de confiança do consumidor paraibano pode ser atribuído, em parte, à situação econômica atual com inflação baixa, melhora nas condições de oferta de crédito ao consumidor e expansão da renda real do trabalhador”, explicou.

Na comparação anual, março deste ano com março de 2017, o ICC também cresceu, houve uma alta de 5,20%, subindo de 105,75 para 111,25 pontos neste mesmo período. É importante destacar que a escala utilizada no índice varia de 0 (total pessimismo) a 200 (total otimismo).

Na avaliação por gênero, tanto os homens como as mulheres aumentaram a confiança, com uma expansão de 2,68% e 2,77% respectivamente. Entre os homens, o ICC passou de 108,25 pontos em fevereiro para 111,16 pontos em março e entre as mulheres variou de 108,34 para 111,34 pontos neste mesmo período.  Em relação ao estado civil, a maior alta foi registrada entre os casados ou em união estável, com 3,60%. Em relação à escolaridade, os consumidores que possuem ensino médio completo registraram a maior elevação, com 3,25%. Já na análise por renda, a maior alta foi de 3,11% registrada pelos que ganham entre dois e quatro salários mínimos, seguidos pelos que recebem rendimentos de até dois salários mínimos (2,41%).      .

Condições Atuais e Expectativa do Consumidor
O Índice de Confiança do Consumidor é composto por dois subindicadores: o Índice das Condições Econômicas Atuais (ICEA), que apura a confiança do consumidor em relação à sua situação atual, e o Índice de Expectativa do Consumidor (IEC), que mede o sentimento do consumidor em relação à sua situação futura. Em março de 2018, tanto o ICEA quanto o IEC registraram expansão, com taxas de 2,82% e 2,66% respectivamente.

Em relação à situação atual da família, o percentual de entrevistados que avaliaram como “melhor” subiu de 25,26% em fevereiro, para 32,75% em março. Por outro lado, o percentual dos que avaliaram como “pior” a situação atual da família, caiu de 33,42% para 31,51% no mesmo período. Já na avaliação dos consumidores considerando a situação futural da família, a parcela de consumidores que avaliaram como “melhor” a atual situação familiar, subiu de 51,58% para 64,43%. Ainda neste mesmo período, a parcela de consumidores que julgaram como “pior” a situação futura da família caiu de 11,58% para 6,70%.

Metodologia
A Pesquisa do Índice de Confiança do Consumidor foi desenvolvida com base no Consumer Confidence Index da Universidade de Michigan nos Estados Unidos e adequada à realidade paraibana. Para atender a precisão desejada, a amostra foi estimada em aproximadamente 400 entrevistas, sendo os participantes escolhidos de forma aleatória na RMJP, em diversos pontos onde ocorre maior concentração de consumidores nos dez primeiros dias do mês. A escolha da amostra apresenta um índice de confiança de 95% e um erro amostral de 4,90%.