Inadimplência e endividamento caem em outubro em João Pessoa

Os índices de endividamento e inadimplência na Região Metropolitana de João Pessoa apresentaram queda em outubro quando comparados ao mês anterior. A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) é realizada pelo Instituto Fecomércio de Pesquisas Econômicas e Sociais da Paraíba com cerca de 400 consumidores nos dez primeiros dias do mês.

Endividamento
O nível de endividamento entre os consumidores da Região Metropolitana de João Pessoa caiu pelo segundo mês consecutivo, registrando uma queda de 2,04p.p em outubro em comparação ao mês de setembro. A pesquisa aponta que 80,72% dos consumidores possuem algum tipo de dívida voluntária (parcelamentos de cartão de crédito, cartão de loja, cheque especial ou outro financiamento). Na comparação com o mesmo período do ano passado, a taxa de endividamento apresentou uma retração de 1,62p.p.

Na análise por gênero, a queda da taxa de endividados foi maior entre os homens (-2,44p.p), atingindo 79,53%. Já entre as mulheres a diminuição foi de 1,76p.p marcando 81,65% em outubro. Em relação à escolaridade, a maior redução ocorreu entre os que possuem o ensino superior completo (-2,95p.p). Por faixa salarial, os consumidores com rendimentos entre cinco e sete salários mínimos foram os que registraram o maior decréscimo na taxa de endividados (-3,89p.p). E por faixa etária, a maior baixa aconteceu entre os consumidores com idades entre 18 e 25 anos (-3,06p.p).

O cartão de crédito, mais uma vez, apareceu como a principal forma de endividamento, com 73,89%. Seguido por financiamento de veículos (8,92%), financiamento de imóveis (7,32%) e empréstimo pessoal (7,01%). Neste quesito, os entrevistados puderam citar mais de uma dívida, por isso o somatório ultrapassa 100%.         

Ainda segundo a pesquisa, os consumidores apresentaram, em média, 48,24% de comprometimento de sua renda mensal com pagamento de dívidas em outubro, o que representa um leve decréscimo de 0,59p.p se comparado ao do mês anterior. Os homens (48,58%) comprometeram mais a renda com dívidas do que as mulheres (47,99%), assim como aqueles com ensino médio completo (49,47%) e os que ganham até dois salários mínimos (48,67%). 

Inadimplência e contas em atraso

De acordo com o levantamento, a inadimplência (consumidores que não podem quitar as contas atrasadas em um prazo de 90 dias) sofreu uma queda de 1,39 pontos percentuais quando comparado a setembro, atingindo um total de 11,11% dos consumidores. Em relação às contas em atraso, em outubro, 17,20% dos entrevistados admitiram possuir alguma dívida atrasada, um resultado 3,31p.p menor que o registrado no mês anterior.

O principal motivo pelas contas em atraso  apontado pelos entrevistados é a falta de planejamento nos gastos domésticos (57,41%), seguido do desemprego na família (25,93%) e da inflação (5,56%).