Em agosto, comércio varejista cresce na Grande João Pessoa, aponta Fecomércio

 

O comércio varejista da Região Metropolitana de João Pessoa (RMJP) registrou uma alta de 0,79% no mês de agosto com relação ao mês anterior. Este resultado marca o quarto mês consecutivo de taxas positivas. Dos 12 ramos analisados, oito apresentaram crescimento. Os dados foram divulgados pelo Instituto Fecomércio de Pesquisas Econômicas e Sociais da Paraíba (IFEP).

O resultado de agosto marca o quarto mês consecutivo de taxas positivas

 

Entre os segmentos com resultado positivo, os melhores desempenhos foram de móveis e decorações (7,79%), tecidos (6,54%), autopeças e acessórios (6,05%) e concessionárias de veículos (5,94%). Outro destaque foi para a venda de carros novos, que teve um crescimento de 13,31%. Por outro lado, calçados (-13,45%), farmácias, drogarias e perfumarias (-4,95%), eletrodomésticos e eletroeletrônicos (-4,88%) e supermercados (-2,10%) registraram retração nas vendas.

“O bom desempenho do varejo da RMJP ainda está atrelado à renda real do trabalhador com carteira assinada e ao nível de emprego”, afirmou o Presidente da Federação do Comércio da Paraíba, Marconi Medeiros.

Comparando agosto de 2011 com o mesmo mês em 2010, o faturamento real do varejo também foi positivo, com aumento de 2,29%. Tecidos (17,54%), eletrodomésticos e eletroeletrônicos (16,51%), autopeças e acessórios (16,48%) e móveis e decorações (16,42%) apresentaram os melhores resultados. As retrações nas vendas foram percebidas apenas em concessionárias de veículos (-6,43%) e cine-foto-som e óticas (-5,80%).

No acumulado dos últimos oito meses de 2011, o faturamento real do varejo apresentou crescimento com taxa de 3,95% na comparação com igual período de 2010. Os melhores desempenhos foram observados nas lojas de eletrodomésticos e eletroeletrônico (11,60%), vestuário (10,15%), autopeças e acessórios (8,30%) e materiais de construção (7,92%). Nesta base de comparação, apenas os ramos de cine-foto-som e óticas (-1,68%) e combustíveis (-1,00%) registraram taxas de variação negativa.

 

Fonte: Ascom Fecomércio Paraíba