Intenção de consumo registra alta de 4,2% em fevereiro

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF), apurada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), alcançou 87,1 pontos em fevereiro de 2018, um aumento de 4,2% em relação ao mês passado. Na comparação com o mesmo período de 2017, o índice apresentou alta de 13%. No entanto, o resultado abaixo dos 100 pontos ainda indica uma recuperação lenta do otimismo das famílias.



“A desaceleração do número de demissões, aliada à trajetória favorável da inflação e queda, ainda que suave, das taxas de juros, impactou positivamente a confiança das famílias no início de 2018”, explica Bruno Fernandes, economista da CNC.

Mercado de trabalho

O componente Emprego Atual registrou 112,3 pontos e aumento de 2,3% em relação ao mês anterior. É o maior valor desde junho de 2015. O percentual de famílias que se sentem mais seguras em relação ao emprego atual é de 33,8%, ante 33,4% em janeiro.

Em relação às perspectivas de mercado de trabalho, houve aumento de 5,3% na comparação com janeiro e 3,3% no comparativo anual. É a primeira vez desde abril de 2017 que o indicador fica acima da zona de indiferença, alcançando 105,1 pontos.

Consumo
Três indicadores relevantes ligados ao consumo apresentaram alta, tanto na comparação mensal como na anual. O Nível de Consumo Atual registrou aumento de 4,8% em relação a janeiro e 19,9% na comparação anual.

O componente Momento para Duráveis apresentou elevação de 5,8% no comparativo mensal e 23,5% em relação a 2017. Outro indicador que registrou alta foi Perspectiva de Consumo: aumento de 3,6% em relação ao mês passado e 25,7% na comparação com o mesmo período de 2017.

O levantamento mostra ainda que o subíndice Renda Atual alcançou 99,8 pontos e o componente Acesso ao Crédito teve aumento de 3,6% na comparação mensal e 16,8% em relação a fevereiro de 2017.

Apesar da melhora de todos os subíndices, a maior parte das famílias, 54,1%, declarou estar com o nível de consumo menor do que no ano passado.

Perspectivas para o varejo em 2018
A melhora recente das vendas em relação ao ano anterior levou a CNC a projetar crescimento de 5% para 2018 no desempenho das vendas do varejo ampliado. Esse cenário se baseia na percepção de continuidade de menor pressão de preços no curto prazo, além de uma expectativa de recuo no custo do crédito e recuperação do emprego e da renda ao longo do ano.

Fonte: CNC